Prefeitura faz contrato de compras de quase DOIS MILHÕES de reais em medicamentos até dezembro, mas falta remédio nas unidades e no Hospital.

A sessão ordinária desta segunda-feira 12/08, marcou de fato e de direito o retorno dos Vereadores de Macarani aos trabalhos para o segundo semestre de 2019. Oficialmente a primeira sessão foi na última segunda-feira dia 05, mas aquela aconteceu de forma muito rápida e apenas foi para manter o protoco.

E nesta segunda-feira 12, sem nenhum projeto por parte do executivo, ninguém inscrito para falar na Tribuna Livre e com apenas um requerimento a ser votado oficialmente, a expectativa era de que seria uma sessão rápida e de pouco interesse. Mas a surpresa do pouco público presente fez valer a pena ter ido a Câmara ontem.

Para começar, e apenas para começar, o único requerimento a ser lido para discussão e votação foi de autoria do Vereador Gláuber Costa (PODEMOS), pedindo ao Presidente da Câmara, Marlon Sousa(MDB), que envie ofício ao Prefeito Miller Ferraz, pedindo esclarecimentos sobre os gastos com a saúde de Macarani por conta de licitações e contratos firmados para aquisição de equipamentos e compra de medicamentos para o Hospital e unidades de PSF.

Gláuber inaugurou tribuna da Câmara com louvor.

Segundo a justificativa do Vereador: foi firmado um contrato de quase dois milhões de reais vigente entre 28 de maio de 2019 e 31 de dezembro de 2019 (seis meses) apenas para compra de medicamentos com uma empresa de Itabuna. E até o momento, já chegando a metade da vigência do contrato o que mais se ouve da população é reclamação sobre a falta de remédios.

Colocando na divisão de uma parcela mensal  por seis meses, vamos encontrar um gasto de 300 mil reais por mês até dezembro. Ou seja: até aqui já deveria ter sido gasto cerca de 900 mil reais e onde estão os remédios?

Após a leitura do ofício, o Presidente Marlon Sousa, concedeu a palavra ao Vereador Gláuber para que ele fizesse as justificativas, e o RGBAHIA com exclusividade traz em vídeo o pronunciamento do Vereador. Confiram:

Na seqüencia da fala de Gláuber, todos os Vereadores tiveram direito a opinar sobre o assunto e votar se o ofício deveria ou não ser enviado. E justiça seja feita: ninguém titubeou ou tentou colocar panos quentes, todos foram unânimes em afirmar que é um absurdo que precisa de esclarecimentos. Vejam as opiniões e como votou cada vereador.

Compartilhe via:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *