SOFRIMENTO E HUMILHAÇÃO – População sofre na fila e come o pão que o diabo amassou pra pegar uma ficha para tratamento dentário no PSF.

HORA DE PEGAR O RANGO E ELES ESTAVAM NA FILA DE JONIAS
Imagine
que você está com seu dente doendo, inflamado e precisando de uma extração ou
pelo menos de um alívio para a dor, fica sabendo que no Posto de Saúde da Família (PSF) existe um dentista
profissional (odontólogo), que atende durante a semana, mas precisa chegar cedo
para pegar a ficha, marcar a consulta e aguardar sua vez na fila de atendimento.
E você pensa que tudo isso será em apenas um dia.

Você
levanta cedo porque a dor de dente não te deixou dormir direito, chega ao PSF por volta das 04h00 da manhã, já
encontra muita gente na fila e ali você só vê a fila aumentando, a manhã
passando, o sol esquentando, a manhã passando e só por volta de uma hora da tarde (13h00), as tão
esperadas fichas começam a ser distribuídas e você pensa: aleluia, finalmente meu sofrimento vai acabar!

Que desilusão! Você até conseguiu
sua ficha, foi um felizardo, mas o seu atendimento foi marcado para o dia 12 de abril, serão mais
vinte dias de espera. É absurdo? Mas é real, e isto aconteceu nesta
quarta-feira (21) com as pessoas que foram ao PSF José Balthazar Silveira no Bairro Guarujá e que ficaram
das 04h00 da manhã até 1h30 da tarde
aguardando sob um sol escaldante para pegar uma ficha de atendimento para Dra. Rosana Damasceno, odontóloga
que atende no PSF.

E
a humilhação maior além da fila e do prazo de quase um mês entre a ficha e o
atendimento, é que, ao meio dia o Posto
fecha
para o almoço e os pacientes tem que se valer da boa vontade de Jonias do Bar que aceita a permanência
dos mesmos sob o a cobertura da sua calçada. Tá ruim? Tem situação pior, no PSF Landulfo Fernandes (centro), o Odontólogo Kidão Fernandes estava de férias e tirou por direito,
licença prêmio e há mais de um mês lá está sem atendimento odontológico.

ASSIM SORRIR TÁ DIFÍCIL!
Perguntar não ofende: quando começa a
valer na prática o contrato com Euclides
Fernandes Filho (Kidinho),
para atender a demanda de dentista na sede e
no interior e que lhe rende uma gorda remuneração de mais de seis mil reais por mês?
Querem
saber mais sobre a via crúcis dos
pacientes do PSF? Então ouçam a
denúncia de Dona Santa, que
ontem esteve na fila do José
Balthazar Silveira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *